segunda-feira, 5 de agosto de 2013

A ACENTUAÇÃO

Para muitos estudantes, uma das coisas mais complicadas na escrita de um texto é saber acentuar corretamente as palavras.

Isso decorre de alguns problemas maiores: a forma oral com que lidamos com a nossa língua escrita, a própria cultura brasileira, a lei do menor esforço e a influência cada vez mais crescente da vida digital em nossos dias.

Mas, para começar a mudar esse quadro, é preciso dominar o básico das regras de acentuação para poder ter competência nesse quesito. 

Há coisas muito simples, como toda proparoxítona ser acentuada. Então jamais deveríamos falar *récorde e sim recorde, com sílaba tônica na paroxítona "cor", pois não é acentuada. Da mesma forma, *rêfrega não existe e nem *interím... Refrega é paroxítona e ínterim é proparoxítona, vai acento obrigatório. Gratuito é ditongo, a forma correta; já *gratuíto, com acento em um hiato imaginário, é coisa equivocada.

Na dúvida, tente pronunciar a palavra e localizar sua sílaba tônica. Caso seja uma palavra desconhecida, utilize as regras básicas do acento em língua portuguesa.

Abaixo um quadro das principais regras:

Lembre-se de que o hiato (quando precedida de ditongo. Ex.: feiura) e os ditongos abertos éi e ói (quando paroxítonas. Ex.: ideia e heroico) sofreram alterações com o Acordo Ortográfico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário