sábado, 2 de junho de 2012

TEMA X TÍTULO


Muita gente confunde tema e título. Tentaremos, de alguma forma, explicar aqui a diferença entre os dois, fazendo com que você, vestibulando e concurseiro, não venha a se atrapalhar na hora da prova.

Mas fique atento: o concurso ou o vestibular pode dar tanto o tema quanto o título. Cabe ao redator saber manejar as duas formas.

Caso seja dado o título, este se tornará obrigatório no início da prova, centralizado, na primeira linha (se não houver um lugar específico para ele!). Podem daí surgir duas possibilidades, o tema estar inserido nos textos de apoio que acompanham o enunciado da questão ou do título você terá que tirar o tema.

Se for dado o tema em destaque, durante ou após o enunciado da redação, você terá que falar especificamente dele, independente do assunto tratado nos textos de apoio.

Muitas bancas examinadoras não exigem o título. Na maioria das vezes ele é opcional. Porém, quando for obrigatório vai ter sempre na instrução da prova: “Dê um título ao seu texto” ou “Seu texto deve ter título” e similares. Portanto, leia com atenção as instruções da sua prova de produção textual.

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE TEMA X TÍTULO:

TEMA
TÍTULO
É geralmente uma oração com começo, meio e fim, por isso tem sempre um verbo.
Normalmente não tem verbo.
É o assunto de que trata o texto.
É o resumo do que você escreveu.
Está inserido no texto, comentado, discutido, trabalhado dentro do mesmo.
Aparece antes do texto, na primeira linha ou em lugar específico.
Fique atento e não cometa esse erro!

Delimitado ou não
O tema pode vir amplo, genérico, ou já delimitado. Atenção máxima quanto a isso. No primeiro caso, pode-se pedir para escrever sobre “Violência”, por exemplo, e dentro desse tema tão universal, você ter que especificar, delimitá-lo: “A violência doméstica está crescendo no Brasil em pleno século XXI”. Pronto, agora é só começar a escrever.

Tema objetivo ou subjetivo?
Outro aspecto importante que se tem que ficar atento é se o tema é de âmbito objetivo ou subjetivo.

Para entender a diferença entre um tema objetivo e um tema subjetivo, faz-se necessário, antes, relembrar que há mais de uma forma de usar as palavras: no sentido real ou no sentido figurado. Essa diferenciação não se faz apenas no uso da linguagem escrita ou falada, mas também ao se fazer uso de outras linguagens. Explico: quando se assiste a um filme, é possível associar seu enredo a outros significados que não apenas aquele aparente; você assistiu a “Matrix”, por exemplo? Será que aquela história de se viver um mundo falso, que alguém programa para nós, não é uma grande metáfora? Vemos tudo o que existe? O que existe é real ou nossos sentidos nos enganam? O verde que você vê é o verde que eu vejo? Como saber?

Você poderá pensar desta forma também ao admirar uma pintura, uma escultura, um grafite na rua, e se perguntar: o que será que se quis dizer com essa representação? Enfim, consegue perceber a possibilidade de mais de uma leitura nas diferentes linguagens? Os examinadores esperam que você seja analítico, que faça associações, que entenda não ser mundo algo estático sócio-econômico-política e culturalmente. Então, guarde esses conceitos:

Denotação - palavra usada em sentido literal: objetividade:
Ex.: Meu coração está batendo acelerado.

Conotação - palavra usada em sentido figurado: subjetividade.
Ex.: Meu coração galopa quando te vê...


Construindo um Texto a Partir de Um Tema Objetivo e Um Subjetivo
Vimos anteriormente que, o tema é a proposta para a redação. Você irá delimitar o assunto e a partir dessa delimitação irá formular sua tese (a afirmação central sobre o assunto, que será desenvolvida e comprovada no texto). Observe que há uma tendência de os vestibulares apresentarem o tema e uma coletânea de textos, de todos os tipos: fragmentos filosóficos, excertos literários; poemas; reportagens ou notícias de jornais e revistas; cartuns ou pinturas. Normalmente, o avaliador não deseja um texto com visão limitada sobre o assunto. Caso tenha pela frente um tema subjetivo, haverá a necessidade de se interpretar a proposta.

Observe os seguintes modelos:

Modelo com tema subjetivo
1º. Tema subjetivo: “Tudo o que é sólido desmancha no ar.” (Karl Marx )

2º. Delimitação do Assunto:
• a observação de como a história elimina estruturas aparentemente eternas.
• trata-se de uma referência às instituições, comportamentos, modelos
econômicos, que se modificam no tempo.

3º. Tese: Nosso cotidiano parece cercado por estruturas fixas, imutáveis, sejam instituições, relações de poder, formas de vida. Mas, se dermos um passo atrás e olhamos a história, o que encontramos é uma sucessão de transformações, em que estas estruturas, que pareciam eternas, são criadas e destruídas.

Esse foi um exemplo com tema subjetivo. Vejamos um exemplo de tema objetivo. Lê-se o tema e imediatamente se reconhece sobre o que se pode falar no texto.

Modelo com tema objetivo
1º. Tema: Desenvolvimento e Meio Ambiente.

2º. Delimitação do Assunto:
• como conciliar desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente?
• estar o meio ambiente em estado de degradação é sinal de evolução da sociedade capitalista ou “involução”?

3º. Tese: Depois de as grandes potências econômicas passarem pelo período de exploração da maior parte dos recursos naturais existentes, e pelo completo descuido com o meio ambiente, surge a preocupação em se controlar esse processo, antes desordenado, para que se possa falar em gerações futuras.

3 comentários:

  1. muito bom esse site,parabéns,gostei muito,foi muito útil!Continue assim

    ResponderExcluir
  2. excelente site,muito obrigado por nos ajudar.

    ResponderExcluir