segunda-feira, 20 de agosto de 2012

CARTA-ARGUMENTATIVA DE RECLAMAÇÃO




Nas postagens anteriores, você aprendeu a teoria geral da carta-argumentativa, sua estrutura e a diferença de interlocutor para a dissertação, inclusive com a leitura de cartas de exemplo.
Um modelo de carta muito cobrado é aquele que interage com as necessidades coletivas ou individuais das pessoas, todas as vezes que elas se sentirem lesadas ou desrespeitadas em seus direitos.
Leia a carta a seguir e reflita sobre isso:

Porto Alegre (RS), 1º de fevereiro de 2010.

Senhor Diretor do Departamento de Trânsito de Porto Alegre:

No último dia 20, recebi uma multa relativa a uma infração cometida em 1º de dezembro de 2009. A multa foi lavrada no cruzamento da Avenida Getúlio Vargas com a Rua Freitas Coutinho, às 15 horas, e se deu pelo fato de ter sido avançado o sinal vermelho.
Recordo-me bem da ocasião e admito que infringi uma norma do trânsito; aliás, uma “infração gravíssima”, de acordo com o novo Código de Trânsito. Porém, V.S.ª já viveu a desagradável situação de cruzar um semáforo, estando atrás de um ônibus de três metros de altura? Pois foi o que me aconteceu. Embora guardasse uma distância razoável do ônibus, sua altura não me permitia ver se o sinal estava ou não aberto. Como o ônibus não parou nem diminuiu a velocidade, achei que estivesse aberto e segui em frente.
 Além disso, notei que o motorista que vinha atrás de meu veículo acelerou seu automóvel ao nos aproximarmos do cruzamento, o que me impediu completamente de parar ou esperar que o ônibus se afastasse para poder ver o semáforo, pois do contrário corria o sério risco de ter meu carro colidido na parte traseira.
Por outro lado, será que o ônibus ou o veículo de trás também foram multados? Ou será que o policial de trânsito não teve tempo de anotar a chapa dos outros dois veículos, fazendo-me sua única vítima? Teria havido coerência por parte do policial ao lavrar essa multa?
Gostaria de lembrar ainda que, em mais de vinte anos como motorista, jamais fui multado, o que comprova o quanto minha conduta tem sido correta no trânsito e o quanto essa multa é injusta.
Peço a V.S.ª que examine esse caso de uma forma mais ampla, distinguindo, de forma clara, aqueles que realmente merecem ser multados daqueles que merecem ser compreendidos e, portanto, perdoados.
Sem mais para o momento, agradeço sua compreensão,

Victor Hugo Sanches
*
O texto lido é uma carta que apresenta uma reclamação e argumentos que fundamentam o ponto de vista de seu autor. A esse tipo de texto chamamos carta argumentativa de reclamação.
Quando recebemos uma conta de água ou de luz com valores absurdos, quando somos mal atendidos numa empresa ou numa repartição pública, quando não estamos satisfeitos com o nível da programação da tevê, enfim, toda vez que nos sentimos desrespeitados, injustiçados ou discriminados socialmente, podemos reclamar nossos direitos fazendo uso, entre outros meios, da carta argumentativa de reclamação. Esse tipo de carta normalmente é endereçada a um órgão da imprensa, a uma entidade ou à autoridade responsável por aquele serviço.
Como carta que é, esse tipo de texto contém os elementos essenciais do gênero: local e data, vocativo, corpo da carta, despedida, assinatura.
O texto acima apresenta,  já no início do corpo da carta, o motivo da reclamação (no caso, a multa). Em seguida, expõe os argumentos ou justificativas que motivaram a reclamação do autor (no caso em questão, a altura do ônibus, a alta velocidade do veículo de trás, sua boa conduta durante vinte anos). Por fim, a carta é concluída com o pedido de anulação da multa, acompanhado de cumprimentos e a assinatura.
A linguagem desse tipo de carta deve estar de acordo com o padrão culto e formal da língua.

FAZER CONCESSÕES PARA PERSUADIR:

Quando somos culpados por algum tipo de ação que não deveríamos ter cometido, uma boa forma de nos defendermos é dizer a verdade e fazer concessões, isto é, admitir que o interlocutor tem razão ou que a culpa é nossa, mas somente em parte, por isso ele precisa conhecer o outro lado da verdade, conhecer a nossa versão. A partir daí, uma boa argumentação poderá levar o interlocutor a perdoar nossa falta e suprimir a punição.
Observe que, na carta lida, a concessão é feita no trecho “admito que infringi uma norma do trânsito; aliás, umainfração gravíssima’, de acordo com o novo Código de Trânsito”. Em seguida, com a conjunção adversativa porém o autor introduz a sua visão dos fatos e a sua argumentação.
Para fazer concessões, existem, na nossa língua, articuladores próprios. São expressões e construções como
  Embora;
  Apesar de... ;
  Reconheço que...,;
  É verdade que...;
  Está certo que...;
  Mas...;
  Admito que...;
  Porém...
  Etc.

Características da carta argumentativa de reclamação:

       Data, vocativo, corpo do texto, despedida, assinatura;
       Exposição do problema que motivou a reclamação;
       Eventuais concessões que admitam a culpa parcial do remetente;
       Argumentos capazes de comprovar a inocência do remetente ou comprovar que ele está sendo desrespeitado, injustiçado ou discriminado;
       Solicitação implícita ou explícita de medidas que resolvam o problema;
       Agradecimentos;
      Linguagem formal, atenta às normas do padrão culto da língua, rigor no emprego de pronomes de tratamento.

9 comentários:

  1. Oi, sou professora de redação na cidade de São Miguel do Araguaia em Goiás.Pesquisando sobre Carta argumentativa me deparei com seu blog, que por sinal foi muito útil para mim e meus alunos. Eles adoraram sua dicas no blog.
    Prof. Ivanilda

    ResponderExcluir
  2. Oi, sou professor de português na cidade de campo grande e adorei

    ResponderExcluir
  3. Este post sobre A Carta Argumentativa, foi de grande ajuda para a minha melhor compreensão sobre o assunto. Esclareci dúvidas sobre a estrutura e criação da Carta Argumentativa. Maravilhoso.
    Agradeço ao autor da obra.

    ResponderExcluir
  4. parabéns pela carta, agora vou fazer uma boa prova...

    ResponderExcluir
  5. O_O Oh God!! Vou ter que fazer tipo isso na minha prova de amanhã?!? Pode me marcar como reprovado, Prof. Gustavo

    ResponderExcluir